Antes que pensem besteira (se é que ainda não pensaram…), estou falando de programas para computador.

Mas o post não é para falar sobre programação, mas sim para falar que as semelhanças entre programadores e garotas de programa/prostitutas/putas (chame como quiser) não param na frase “fazer programa”.

Me mostraram esse texto há um tempo atrás e hoje, graças ao Plínio, achei o mesmo numa comunidade do orkut. Eu não discordo em nada do que está escrito!

  • Trabalhamos em horários estranhos, que nem as putas!
  • Nos pagam pra fazer o cliente feliz, que nem as putas!
  • O cliente até que às vezes paga bem, mas o chefe fica com quase tudo, que nem as putas!
  • Nosso trabalho sempre vai além do expediente, que nem as putas!
  • Somos recompensados por satisfazer as fantasias do cliente, que nem as putas!
  • Nossos amigos se distanciam de nós, e só andamos com outros iguais a nós, que nem as putas!
  • Nosso chefe tem um lindo carro, que nem as putas!
  • Quando vamos ao encontro do cliente, temos que estar sempre apresentáveis, que nem as putas!
  • Mas quando voltamos, parece que saímos do inferno, que nem as putas!
  • Sempre quando alguém pergunta o que fazemos não conseguimos responder e acabamos conseguindo enrolar a pessoa que perguntou, desconversando, que nem as putas!
  • O cliente quer sempre pagar menos e que façamos maravilhas, que nem as putas!
  • Todo dia, acordamos e dizemos: “NÃO VOU PASSAR O RESTO DA VIDA FAZENDO ISSO”, que nem as putas!

Quem é programador sabe que é tudo verdade! E falando em comunidades de programação, achei uma outra bem legal que fala sobre as gambiarras nossas de cada dia, que todo programador acaba fazendo!